22º Domingo do Tempo Comum – 2021


Domingo, 29 de agosto.


Neste domingo, retomamos o evangelho de São Marcos, onde Jesus, no Mar da Galileia, recebe uns fariseus que vieram de Jerusalém para colocá-lo à prova. Um autentico Judeu é aquele que segue os mandamentos dos 5 livros do antigo testamento, a Torah. Por isso existe uma festa muito bonita na tradição judaica para celebrar este livro, onde os judeus pegam os rolos da torah e dançam com eles como se fossem uma esposa, tal é a alegria deste povo com a palavra de Deus.

Já os cristãos católicos não têm o hábito de ler a palavra de Deus, em família, no trabalho, nas suas atividades etc, a maioria só escuta a palavra de Deus na Missa, e olhe lá. Já, nossos irmãos protestantes são muito mais assíduos na leitura da palavra, fato que deveria ser copiado pelos católicos, fazer com que a palavra de Deus possa permear e nortear suas vidas.

Jesus como um bom Judeu não veio para abolir a lei, mas para dar cumprimento a ela; e como Jesus cumpre esta lei? na dimensão do amor. Jesus não é um doutor moralista da lei, Ele resume a lei em dois mandamentos: Amar a Deus como todas as coisas e amar ao próximo como Ele nos amou.

No evangelho de hoje, Jesus não critica o rito dos judeus em lavar as mãos antes da refeição, Jesus alerta os fariseus de ficarem preocupados apenas com o rito exterior do que com o rito interior, ou seja, esquecem que a maior impureza está dentro de seus corações. De nada adianta o homem purificar as mãos se o seu coração está impuro. Jesus chama isto de hipocrisia. Para Jesus, nosso grande problema está em querer representar aquilo que de fato não somos.

O problema da sociedade moderna também é o da hipocrisia, pois está sempre exigindo de nós algo que não somos. É fato que em alguns momentos precisamos nos mascarar, mas o problema é quando tomamos gosto daquilo que não somos. O Cavaleiro Preso Na Sua Própria Armadura é um ótimo livro que retrata bem esta realidade (John Fisher). Para Deus, nós não precisamos de máscaras para viver, pois Ele nos ama do jeito que nós somos, porque somos seu reflexo, portanto devemos ser autênticos naquilo que Ele nos pede.

Deus quer que vivamos a Religião na autenticidade, sem precisar mendigar afeto ou amor, porque Jesus nos ama tanto que se entendêssemos isso,  daríamos amor, ao invés de sugar a atenção do próximo.

Na carta de São Tiago, na segunda leitura de hoje, ele diz: “Recebei com humildade a palavra que vos foi implantada e que é capaz de salvar e dar vida!” Padre Manoel ressaltou em sua homilia que a palavra nos foi dada em nosso batismo e que quando temos a palavra de Deus em nossos corações, temos a vida em plenitude, ou seja, a salvação. A palavra de Deus nos norteia, nos dá ânimo e nos corrige para que vivemos de acordo com a vontade de Deus.

Se a palavra de Deus nos dá vida e salvação, não devemos ser meros ouvintes da palavra, mas praticantes, porque somos obras primas de Deus, por isso não precisamos nos maquiar para sermos amados, basta darmos testemunhos cristãos de nossas vidas. “Os Verdadeiros adoradores são aqueles que adorarão em Espírito e em Verdade!”

Hoje Celebramos a solenidade de Santa Suzana

Santa Suzana foi uma jovem prometida em casamento ao General Galério, oferecido pelo Imperador Romano Diocletiano em meados dos anos 295 DC. Diocleciano queria a hegemonia de seu império e Suzana era sua única parente mulher e assim formaria a famosa tetrarquia romana. Suzana que veio de uma família cristã tinha um pai que se tornou padre quando viúvo e um tio Papa, sua casa era uma das primeiras igrejas domésticas da época, por isso Suzana tinha convicções e valores cristãos.

Diocleciano quis que Suzana fosse imperatriz do império Romano ao se casar com Galério, desde que ela adorasse ao Deus Júpiter, logo Suzana se nega a praticar este ato pagão e com isso é decapitada junto a seu pai e seus irmãos. Seu tio Caio tenta fugir para as catacumbas, mas depois é pego e também morto. Santa Suzana foi autentica, pois aquilo que ela acreditava, era aquilo que ela também vivia.

Avisos:

Próximo domingo, como todo primeiro domingo do mês, à partir das 9h30, Padre Manoel realizará confissão individual no Salão de Festas do Clube.

This will close in 0 seconds