Dia das Mães – 2022


Domingo, 8 de maio.

Domingo do Bom Pastor

Ainda hoje, entre os judeus, é celebrada a festa das luzes, a Chanucá que fica próximo do Natal. E neste momento, em que Jesus está ali com o seu povo que celebrava esta festa e comemorava a restauração do templo, os fariseus se direcionaram a Cristo questionando se Ele iria dizer se de fato era o filho de Deus ou não.

Mas Jesus sabia que se dissesse que era o filho de Deus, seria preso e condenado naquele momento, mas Jesus precisava completar sua missão, então começou a falar aquilo que de fato ele é, mas de modo figurado, dizendo: “Eu sou o bom pastor e minhas ovelhas reconhecem a minha voz!”

Já os fariseus não faziam parte do rebanho de Cristo porque não reconheciam a sua voz, pois não conseguiam discernir a voz do filho de Deus. O Bom Pastor é aquele que cuida de suas ovelhas e elas o seguem.

Nós cristãos, no meio de tantos barulhos do mundo (tentações), somos chamados a escutar o chamado de Deus. Não é fácil nos esvaziarmos para escutarmos a sua voz, porque enquanto escutamos a palavra de Deus, está passando por nossas mentes um turbilhão de preocupações e dificuldades.

Na missa, é mais importante escutarmos a proclamação da leitura do que acompanharmos o missal, Deuteronômio 6, 4 vai dizer: “Escuta Israel!”, pois a tradição judaica é a da leitura e não da escuta, porque devemos exercitar os ouvidos através da audição, pois com isso aprenderemos a discernir, ou seja, separar as coisas para compreender a vontade de Deus.

“Ninguém arrebatará as ovelhas de minhas mãos, porque foi o Pai as quem me deu.” Deus nos escolheu, através do batismo, para que fossemos filho(a) dele, e este é o grande presente que Ele nos deu, de sermos seus filhos. Não fomos nós quem escolhemos a Deus, mas foi ele quem nos escolheu.

Por isso devemos temer a Deus, mas não no sentido de termos medo Dele, mas de o respeitarmos. Devemos ter medo de pecar porque o pecado nos leva à morte, e em muitos casos, até a morte física.

O bom pastor cuida de suas ovelhas com a própria vida. Assim como os pais são capazes de entregar a vida por seus filhos, Jesus se entregou por nós com sua vida na cruz, para que pertencêssemos ao seu rebanho, mesmo sabendo que viveríamos situações de pecado.

Na parábola da ovelha perdida, quando esta se perde, o pastor deixa as 99 ovelhas em um lugar protegido para ir ao encontro daquela. O mesmo acontece quando nos afastamos de Deus, e por conta da nossa ira, acabamos “pagando” pelos pecados que cometemos. Não que isto seja um castigo, mas se tivermos discernimento, entenderemos que Deus permitiu tal situação para nos educar.

Castigo envolve ira, impaciência, ódio, e isto não faz parte da dimensão de Deus, porque não se trata um mau com outro mau, a educação pressupõe a correção. Jesus coloca suas ovelhas desgarradas em seus ombros.

Na primeira leitura São Paulo foi pregar na Antioquia e, ao pregar o evangelho, foi motivo de inveja aos fariseus que não aceitaram a palavra de Deus. E ao sair de lá, São Paulo pregou para os pagãos que aceitaram a palavra de Deus com alegria. Diante disso, São Paulo se tornou o pastor das ovelhas que não faziam parte do rebanho do Senhor.

Jesus também quer que sejamos pastores, que pastoreemos as pessoas que precisam de uma palavra de amor e de consolo, talvez com uma voz de correção, mas sempre buscando obedecer a Deus.

Hoje queremos prestar homenagem a todas as mães, mulheres que exercem o pastoreio na família. Queremos oferecer este ministério, este pastoreio sublime das mães, que a partir da sua maternidade se colocam a serviço de Deus cuidando do seu dom mais precioso que são seus filhos.

A vocação materna está alicerçada na grande vocação de Deus, em dar a vida pelos seus filhos, e se hoje celebramos o dom da maternidade, é porque Deus quis tornar este território sagrado. A mãe é tão importante que Deus quis ter uma. Nossa senhora é o modelo de todas as mães, porque criou seu filho para o projeto de Deus.

Obviamente que para ser mãe, há um pai, e neste contesto de celebração da maternidade, onde o território sagrado é a família, e as mães são enaltecidas na sua vocação maternal, a bênção de Deus é manifestada.

Que Deus possa abençoá-las e fortalecê-las em todos os momentos para que vocês sejam felizes na construção do lar juntamente com seus esposos.

AVISOS:

Palestra com Pe. Manoel dia 31 de maio às 20h

Tema: A Presença De Deus Na Vida Das Famílias

Local: Salão de Festas do SPFC

Dia das Mães – 4º Domingo da Páscoa 2019


Mês de maio, mês de Maria.

Domingo, 12 de maio.

Nossa Senhora é o modelo de todos os cristãos e modelo de maternidade.

Padre Manoel em sua homilia explicou a importância em sermos rebanhos de Deus, do Cristão reconhecer o chamado de Jesus como Pastor, e, obediente, segui-lo como ovelha. Infelizmente no mundo existem muitos falsos pastores “revestidos de ovelhas”, oferecendo coisas que não são do agrado de Deus, por isso a importância de reconhecermos Seu chamado, pois aquele que se considera ovelha de Deus, Jesus o considera como amigo. Sendo assim, ao comungarmos Jesus, não só fazemos com Ele Comunhão de Amor, mas também de amizade.

Jesus nos ama tanto que não permite que a gente se perca, pois Ele não se cansa de ir ao nosso encontro, por isso devemos obedecer o que Ele diz: “Quem deixar de acolher um irmão, deixará de acolher a mim mesmo”.

Obedecer nossas mães é como obedecer a Jesus que realizou seu primeiro milagre nas Bodas de Canaã a pedido de sua mãe.

Antes dos avisos finais a Célia fez uma homenagem às mães:

“Mãe é aquela que cuida, que ama, que põe limites e educa. É ela que nos encoraja quando chega a idade de irmos à escola, é ela que afaga, que nos põe no colo, que nos perdoa, que briga, que nos ensina o que é certo e que é justo; que nos faz ser gente de verdade, que nos ensina a rezar e nos mostra uma outra mãe quando não pode estar presente. Por mais simples que seja uma mãe, ela sempre será sábia. É sempre nela que a gente se refugia quando temos dúvidas, insegurança e medo, ou quando só queremos seu carinho.

Mãe é fonte de amor, que abre mão de seus sonhos para ver os nossos se realizarem. Com ela aprendemos que a vida é maravilhosa, aprendemos a enxergar nas pequenas coisas da natureza, a grandeza da criação de Deus. Dizem que mãe é tudo igual, mentira – existe mãe legal, mãe chata, mãe brava, mãe boazinha, mãe quadrada, mãe moderna, mãe alta e mãe baixinha. Há todo tipo de mãe, mas nenhuma é igual a minha. A minha é única e a de vocês também”.

E acrescentou: “Se tivéssemos mil vidas para passar todo amor que temos para nossos filhos e netos, ainda assim não ficaríamos satisfeitos, porque graças a Deus somos cristãos e teremos a vida eterna para vivenciarmos este amor infinito e por toda a eternidade”.

Depois desta homenagem, Padre Manoel sorteou um terço, cuja ganhadora foi a Célia; e em seguida, o sorteio de um escapulário feito pelas crianças da catequese para suas mães, cuja ganhadora foi a Lusia.

No final da missa, as crianças da Catequese se reuniram em volta da imagem de Nossa Senhora durante o canto da Coração e Consagração a ela, e logo depois, todas as mães foram abençoadas por seus filhos e presenteadas com um belo marcador de livro.


FESTA DO BACALHAU.

Jantar dia 28 de Junho (sexta feira), no salão paroquial (Rua David Ben Gurion 777). R$ 120,00 por pessoa. Crianças até 10 anos não paga.

Haverá 150 kilos de lombo de bacalhau com petiscos e Vinho Esporão Português.  E sorvetes e saladas de frutas de sobremesa.

Também teremos apresentação de danças típica do grupo de dançarinos portugueses da Casa de Portugal💃🏻.

Convites com a Célia em até 2x no cartão. Venham Participar😋😋!!!