7º Domingo do Tempo Comum – 2023

Domingo, 19 de fevereiro.

Hoje se finaliza o tempo comum para darmos início à Quaresma, a partir de quarta-feira de cinzas até a Páscoa e, só depois de Pentecostes, daremos continuidade ao tempo comum até o advento.

Na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa, a lei da igreja nos manda, e por conta da nossa fé cristã, a praticarmos jejum e abstinência. A abstinência de carne é perpétua e pode ser praticada neste dia a partir dos 16 anos de idade até o fim da vida, porque se uma pessoa de 90 anos deixar de comer carne por um dia, não afetará sua saúde.

Já o jejum, que é a abstinência de uma refeição completa do dia, no qual você pode escolher deixar de comer o café da manhã ou o almoço ou a janta; a lei da igreja nos manda praticá-lo partir dos 16 anos de idade até os 59 anos de vida, ou seja, a partir dos 60 anos já não é mais obrigatório.

Já aqueles que fazem algum uso de medicamentos e necessitam se alimentar para consumi-lo(s), a igreja os dispensa de praticarem o jejum, inclusive os que estão a serviço dos doentes, como cuidadores etc.

A primeira leitura de hoje fala do livro do Levítico, um dos 5 livros do antigo testamento traduzido para o grego há 200 anos antes de Cristo. Esta tradução foi feita em Alexandria no Egito, que tinha uma comunidade judaica muito grande cujos filhos já não sabiam mais falar o hebraico e sim o grego.

Jesus Cristo e os apóstolos usaram a tradução grega  do antigo testamento (a tradução dos 70), e foi a partir desta tradução que a igreja católica a canonizou. O livro do Levítico é um livro litúrgico dos mandamentos de Deus e nos dá orientações pedagógicas de como viver a santidade, ou seja, a proximidade com Deus.

Na segunda leitura, São Paulo em sua terceira viagem apostólica à Éfeso, a grande capital da província imperial do oriente na Turquia, diz em sua carta, escrita no ano de 54, que a sabedoria do mundo e os pensamentos dos sábios são vãos perante Deus e que devemos conservar nosso corpo porque é um instrumento sagrado, não podendo ser modificado ou manipulado segundo nosso bel-prazer.

Depois que nosso corpo voltar à terra, será mantida a nossa essência, ou seja, não perderemos nossa consciência, nossa inteligência, nossa identidade, nossas lembranças e nos encontraremos com nossos entes queridos, como amigos e familiares, na casa do pai.

Jesus foi judeu, falava aramaico, tinha costumes judaicos, usava expressões de linguagem que era próprio da cultura Judaica e era mestre da lei. Então nem sempre devemos interpretar o novo testamento ao “pé da letra”, como, por exemplo, no evangelho de hoje que diz: “se alguém lhe der um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda”; porque são expressões de linguagem própria da cultura do tempo de Cristo.

Na verdade, nesta situação de agressão, não devemos oferecer nada mas, se continuarmos sendo agredidos, devemos nos defender mesmo que para isso usemos a agressão física, pois nós temos o direito de defesa.

Deus não quer é que sejamos vingativos, por exemplo, se alguém lhe fizer um mal, não retribua com outro mal porque você estará se igualando a ela. O que você deve fazer é se afastar desta pessoa e orar para que ela se  converta, pois isto, não deixa de ser uma pratica de perdão.

Deixe Deus ser o juiz, por exemplo, se alguém lhe fechar no trânsito, apenas buzine para evitar a colisão, mas não o siga e nem o xingue, peça a Deus para dar uma lição nele(a) que Deus dará, pode ter certeza! As pessoas colhem o que plantam, ou seja, se você planta bondade, você colhe bondade e se você planta maldade, você colhe maldade.

Se alguém lhe abrir um processo, como você cuidará de sua família se você for preso? por isso você tem o direito de defesa, pois Deus quer que a família esteja em primeiro lugar, depois Dele. E se alguém nos pedir algo emprestado, devemos emprestar somente se tivermos condições.

No evangelho de hoje também foi dito: “Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!” Amar é uma coisa e gostar é outra, ou seja, amar é não guardar rancores nem desejos de vingança, é quando você ora por aqueles que te fizeram mal ou te perseguem, mas não significa que você deva gostar deles. E se continuarem te perseguindo, você deve chamar a polícia.

E mesmo se seu inimigo não se converter nesta vida, ele deverá prestar contas a Deus; ou ele vai para o purgatório ou vai para o inferno. Mas não é isso que devemos desejar para nossos irmãos.

“Sede perfeitos como o vosso Pai Celeste é perfeito!” Aqui Jesus também está falando como judeu daquela época, porque ninguém é perfeito por mais que desejamos isso, pois quem não quer ser perfeito? Somente Jesus cristo e Maria mãe de Deus, imaculada, sem mancha do pecado, foram perfeitos.

O que devemos fazer é nos aproximarmos de Deus para alcançarmos a santidade através de renúncias. Se doar à família e aos necessitados, procurar fazer a vontade de Deus e ler os evangelhos é um ato de santidade.

A gente faz o possível, o impossível só Deus faz porque para Ele nada é impossível. Peçamos a Deus para que nos conceda sabedoria divina e um coração manso, humilde e paciente como o de Jesus para praticarmos a justiça e amarmos nossos irmãos.

Artigo baseado na homilia de:
Pe. Tiago Wenceslau Barbosa.
Diocese de Campo Limpo,
São Paulo – SP.

This will close in 0 seconds