Solenidade de Todos os Santos – 2023



Domingo, 05 de novembro.

"Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus".

A Festa de Todos os Santos é celebrada no dia 1º de novembro, mas no Brasil, a igreja católica celebra no domingo para que todos possam participar. É uma das mais belas festas da Igreja Católica; obviamente a Páscoa é a maior e mais bela, seguida do Natal.

Quando celebramos Todos os Santos, vem a nossa mente os santos de nossa devoção que fazem parte do calendário litúrgico, mas essa festa também envolve a todos nós, que também somos santos, a partir do momento em que recebemos o Batismo no Espírito.

Primeiramente, o Santo por excelência é Deus e depois seu Filho que é a encarnação de Deus, por isso Jesus Cristo é modelo de santidade. Portanto, a santidade que era só de prerrogativa divina, passou também para a humanidade, especialmente para aqueles que, batizados, se tornaram cristãos.

Assim, disse Jesus para nós: “Sede santos porque vosso Pai Celeste é Santo!” Nossa meta como cristãos é a santidade, não importa o que sejamos, somos todos chamados à santidade, independente da escolha sexual, classe social, cor, etnia, divorciados, etc.

Por isso, a igreja nos dá os instrumentos necessários para buscarmos a santidade, e os sacramentos são um deles. Assim como, o conceito de família, a vivência em comunidade e a conversão. Se você não se sacrificar, não entregar para Deus teu ego, pecados, vontades, achismos e opiniões no altar, Deus não agirá na sua vida.

E, infelizmente, você será mais um religioso neste mundo de pessoas religiosas que não colocam em prática a palavra de Deus. Como por exemplo a gula, se você quiser que alguém o ame, ame primeiramente a si mesmo e comece pela sua alimentação, cortando aquilo que é prejudicial a sua saúde, porque nosso corpo é morada de Deus.

O caminho à Santidade é como uma rodovia cheia de placas e sinalizações que vai nos guiando enquanto a obedecemos, se você ultrapassa o limite de velocidade, as consequências podem ser graves. E o maior desafio é a paciência, todos nós queremos chegar logo ao nosso destino, mas a paciência é uma virtude.

Os Santos, do calendário litúrgico, tiveram essa virtude aqui na Terra porque aprenderam com as situações. Quando persistimos no erro, carregamos conosco o ressentimento, a ira, o rancor e emoções negativas como vinganças, ciúmes e inveja. “Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra.”

Com frequência, nos encontramos na situação de conviver com indivíduos injustos, especialmente onde o individualismo prevalece. Portanto, é necessário que nos libertemos de qualquer rancor e evitemos carregar tal fardo ao longo de nossas vidas, uma vez que essa renúncia está além da mentalidade do mundo. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.”

Quando chegarmos ao nosso momento de morte, devemos nos desapegar de nossa história, que deve ficar aqui como exemplo de vida aos nossos entes. Os exemplos dos santos nos ensinam que, ao escolherem Jesus Cristo, eles aprenderam a se soltar de suas histórias (realidades).

Devemos ser realistas mas não nos apegar a nossa realidade. O beato Carlo Acutis, sabendo de sua doença terminal, era feliz e não se entregou a ela, pelo contrário, percebeu que podia trabalhar para a sua santidade e pela santidade dos outros, até o fim de sua vida.

No mundo tem muita gente que vive no mal, mas também tem muita gente que promove o bem desejando viver a santidade, desse modo devemos ser gratos a eles e seguir seus exemplos. “Esses são aqueles que lavaram suas vestes no sangue do cordeiro!”

Por isso, quando recebemos algum sacramento da igreja, como o batismo por exemplo, devemos estar com roupas brancas representando a pureza (alvejadas no sangue do cordeiro). “Os anjos exterminadores não irão atuar enquanto não se assinalar, os eleitos de Deus, com o sinal da cruz na fronte.”

O Sinal da Cruz é tão importante que a igreja nos concede indulgência parcial, todas as vezes que fazemos esse sinal de modo consciente; o Sinal da Cruz nos identifica com o Cordeiro e nos sela no amor de Deus. A partir do momento em que somos batizados, não pertencemos mais ao mundo nem ao demônio.

Se nós pertencermos a Deus e vivermos segundo a vontade Dele, o demônio não terá poder sobre nós, nem sobre nossa família. O demônio vem para aqueles que dão oportunidade para ele entrar e muitas vezes nem percebem isso. Por isso devemos estar alertas e pedir discernimento divino, ou seja, abrir nossos olhos e ouvidos à palavra de Deus.

Somente quem está em Cristo consegue viver todas as “Bem Aventuranças”. As “Bem Aventuranças” tem uma parte que fala dos sofrimentos e das dificuldades e, das promessas de Deus; os pobres em espírito são os que não vivem segundo os padrões do mundo, mas segundo a vontade de Deus, porque deles serão o reino dos céus.

Artigo baseado na homilia de
Pe. Manoel Corrêa Viana Neto.
Diocese de Campo Limpo,
São Paulo – SP.

AVISOS:

acolhida

This will close in 0 seconds